Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Bravo inicia uso de caminhões a gás e avalia biometano para reduzir emissões de CO2

 

Publicado em 20/07/2022

De acordo com a empresa, adesão aos caminhões movidos a gás é uma alternativa para reduzir a emissão de poluentes como como NOx e material particulado

Por Redação


Foto: Divulgação

A Bravo Serviços Logísticos anunciou nesta semana que está incorporando caminhões movidos a gás na frota. Com veículos da Scania, a adesão aos caminhões é uma alternativa para reduzir a emissão de poluentes como como NOx e material particulado, em comparação com um produto similar a diesel.

Neste momento, a Bravo está com quatro caminhões movidos a gás, que começarão a atender algumas operações. No último ano, a empresa realizou testes com um de seus veículos, que faz rotas que integram a operação de transporte de curta distância, do armazém para o cliente e vice-versa.

O investimento de mais de R$ 3 milhões também proporciona a diminuição de ruídos. Com a tecnologia do motor ciclo Otto, esses modelos são 20% menos ruidosos do que os movidos a diesel.

Alinhada à essa transição energética, a companhia também está avaliando o abastecimento de frota com biometano, em parceria com a Geo Biogás & Tech. O combustível renovável tem potencial de substituir até 70% do consumo de diesel.

“Para nós é gratificante iniciar um projeto inovador alinhado à Economia Circular. Uma das nossas estratégias de redução da emissão de CO2 no transporte é buscar alternativas de combustíveis, como o biometano”, comenta Viviane Ruza, gerente de sustentabilidade da Bravo Serviços Logísticos.

Para Alessandro Gardemann, CEO da Geo Biogás & Tech, o biometano é a solução limpa e viável para descarbonizar o transporte logístico. “A Bravo é uma das empresas que está comprometida com a descarbonização de suas operações, apostando em uma solução que é capaz de substituir 100% o gás natural de fontes fóssil e em grande parte o diesel, viabilizando assim uma operação mais sustentável para o transporte logístico”, afirmou.

 

Veja também: