LogTalk LogTalk

Resiliência, planejamento e foco em ESG: o sucesso das cadeias de suprimentos

Publicado em 06/01/2023

Desafio é se tornar sustentável e se manter competitivo no mercado; para enfrentá-lo, é preciso construir business cases que apoiem as despesas e os custos iniciais

Artigo | Por Jerri Biscuola e Adiemir Hortega*


Foto: Divulgação

Viver em um mundo conectado e globalizado é também compartilhar os desafios e impactos de uma rede integrada. Os últimos três anos trouxeram exemplos significativos deste grande fenômeno, destacando a complexidade de se adaptar perante uma instabilidade da cadeia global. De um navio encalhado à uma guerra entre potências, ou até mesmo uma pandemia, o que poderia ser tratado anteriormente como uma ameaça distante, hoje chama atenção na capacidade dos negócios serem resilientes. Os consumidores observam distantes esse impacto no Supply Chain, mas veem os preços finais aumentarem e o poder de compra das famílias ser reduzido. Estar ou não preparado para novas ameaças, rupturas e pressões inflacionárias será o diferencial de destaque ou ruína dos negócios nos próximos anos.

Com o comportamento dos preços de alimentos e bebidas, de combustíveis e matérias-primas dos últimos três anos é possível observar uma crescente nas curvas de preços a partir do segundo trimestre de 2020, com o início da pandemia. Entretanto, tais preços continuam sendo impactados mesmo após a volta da normalidade, devido à inflação global causada pela guerra da Ucrânia, realocação de investimentos para a transição energética para fontes mais sustentáveis, eventos de rupturas da cadeia de abastecimento com o acidente no Canal de Suez e lockdowns na China – disparando o preço do petróleo, oferta de insumos e alimentos e comprimindo os rendimentos das famílias.

A herança da pandemia, associada à alta da inflação, diminuíram drasticamente os níveis de consumo globais, trazendo instabilidade, altas de estoque e um consumidor mais preocupado e seletivo. Todas essas incertezas econômicas despertam uma ansiedade no cliente, que passa a enxergar os fatores disruptivos como parte do novo normal. Pesquisas de consumo da EY indicam que caiu para 53% o número de pessoas que acreditam na manutenção da sua perspectiva de vida nos próximos 3 a 4 meses, ao mesmo tempo que 67% destes dizem pensar muito sobre o futuro e o que realmente importa para eles.

Os consumidores estão cada vez mais conscientes e insensíveis ao impacto psicológico de eventos disruptivos, o que os torna mais resilientes às crises existentes, mas igualmente mais cautelosos sobre possíveis novas crises. Isso impulsionará hábitos de consumo que priorizam o valor sem comprometer a qualidade, experiência ou propósito. É essencial que as empresas se preparem para uma rápida adaptação para o agora, mas pensando na relevância que terão no futuro.

E neste contexto, a agenda ESG ganha um novo potencial. O consumo se torna cada vez mais consciente e os impactos ambientais ganham espaço dentro das prioridades do dia a dia - 67% dos consumidores dizem levar consigo sacolas retornáveis quando vão fazer compras, 81% destes dizem tentar economizar no consumo de água. Apesar das pequenas ações fazerem a diferença, é esperado o protagonismo das empresas a liderança das iniciativas para incorporar práticas sustentáveis na sociedade e melhorar a qualidade de vida geral.

Além disso, as mudanças climáticas também têm cada vez mais impactado a vida das pessoas. O que era antes apenas uma preocupação, hoje se demonstra em números do aquecimento médio da terra em comparação aos níveis pré-industriais. Incêndios generalizados, inundações, calores intensos em locais de muito frio e secas intensas como a que vivemos no país em 2021 são consequências diretas que impactam a vida de todos. À medida que o aumento da temperatura derrete as calotas polares, o nível global do mar aumentará. Sem medidas de adaptação, as cidades costeiras sofrerão grandes efeitos até 2070, com US$ 35.000 bilhões em ativos urbanos em perigo, mais de 10 vezes os níveis atuais, segundo a OECD.

O Brasil se destaca entre os países onde o perfil de consumo consciente está cada vez mais emergente. O consumidor brasileiro que considera aspectos ambientais como principal ponto na hora da compra, vem crescendo como um segmento forte e estável. Este tipo de cliente é mais consciente e privilegia os produtos locais, além de exigir mais transparência na cadeia. Inclusive, o FCI, estudo desenvolvido pela EY, aponta que 25% dos entrevistados se posicionam com esse perfil de consumo. Apesar de estar ativamente mudando para alternativas sustentáveis nos produtos que compram, estes dizem que os preços altos os impedem de comprar produtos sustentáveis, o que torna o desafio de ser sustentável ainda mais crítico ao considerar o repasse do preço ao cliente final.

É preciso ter uma rede transparente e confiável de ponta a ponta. Dessa forma, a abordagem dos programas de sustentabilidade deve ter uma visão interna para as demandas da empresa, mas é indispensável incluir e engajar os demais elos da cadeia, trazendo para a mesa fornecedores, empresas parceiras e prestadores de serviço.

O foco nas cadeias de suprimento é fundamental para os esforços ambientais, sociais e de governança porque estudos globais mostram que mais de 90% das emissões de gases do efeito estufa de uma organização e 50% a 70% dos custos operacionais são atribuíveis ao Supply Chain.

O desafio de concretizar as transformações na rede vão além de definir metas a longo prazo. A falta de visibilidade, tecnologias e programas abrangentes para medir o seu progresso, atrasam as implementações da agenda ESG nas cadeias. O desafio é se tornar sustentável e se manter competitivo no mercado. Para enfrentá-lo, é preciso construir business cases que apoiem as despesas e os custos iniciais.

Seguindo a tendencia do mercado consumidor, a visibilidade da cadeia é a principal prioridade entre os executivos. Apesar de liderar o barco, é preciso incluir os fornecedores e enfrentar os desafios das pontas iniciais, onde a criticidade e a pressão por transformações tende a crescer fortemente nos próximos anos. Esta visibilidade vai além de atender às exigências do cliente final, as empresas devem observar os pontos de fragilidade e identificar lacunas de eficiência.


* Jerri Biscuola, sócio de Supply Chain e Operações da EY.

** Adiemir Hortega, gerente sênior de Supply Chain e Operações da EY.

Exclusivo e Inteligente

Mantenha-se atualizado em Logística e Supply Chain

Saiba mais