LogTalk LogTalk

Economia global será impulsionada em meio à turbulência da cadeia de suprimentos

Publicado em 09/02/2022

De acordo com pesquisa realizada pela Agility, apesar das dificuldades causadas pela pandemia e das taxas de frete recordes, executivos estão otimistas em relação a 2022

Por Redação


Foto: Freepik

Executivos do setor de logística preveem crescimento econômico de moderado a acentuado e pouca ou nenhuma chance de recessão em 2022, mesmo sem auxílio imediato das cadeias de suprimentos em dificuldade e das altas taxas de frete marítimo e aéreo desencadeadas pela pandemia de Covid-19. É o que revela o Índice de Logística de Mercados Emergentes Agility de 2022, que analisa as percepções dos 50 principais países emergentes do mundo. Ao todo, a 13ª edição da pesquisa teve a participação de 756 profissionais.

Dois terços dos executivos entrevistados acreditam que os transportadores observarão queda nas taxas de carga até o final do ano. Além disso, 80% dos participantes da pesquisa observam gargalos portuários, escassez de capacidade aérea e problemas de transporte rodoviário diminuindo até o final do ano.

Segundo o CEO da Agility, Tarek Sultan, o otimismo do setor reflete o fato de que as economias emergentes estão ficando mais resilientes e descobrindo maneiras de contornar as adversidades da cadeia de suprimentos.

“Se podem obter melhor acesso a vacinas e impulsionar os pequenos negócios, os mercados emergentes podem ajudar a impulsionar uma recuperação global ampla e dinâmica.” – Tarek Sultan, CEO da Agility.

O Índice classifica os países em termos de competitividade geral com base em seus pontos fortes de logística, clima de negócios e, pela primeira vez, sua prontidão digital – fatores que os tornam atraentes para fornecedores de logística, agentes de carga, transportadoras aéreas e marítimas, distribuidores e investidores.

A China e a Índia, os dois maiores países do mundo, ficaram em primeiro e segundo lugar no ranking geral. Emirados Árabes Unidos, Malásia, Indonésia, Arábia Saudita, Catar, Tailândia, México e Turquia completam a lista dos dez primeiros no ranking.

O Vietnã, oitavo colocado em 2021, caiu para o 11º, trocando de posição com a Tailândia. A África do Sul ficou em 24º lugar, a classificação mais alta entre os países da África Subsaariana.

Em relação à América Latina, o Brasil ficou na 16ª colocação, atrás de países como México (9º) e Chile (12º).

Para conferir o relatório na íntegra, basta acessar o site do Índice de Logística de Mercados Emergentes Agility de 2022.

 

Artigo(s) publicado(s) na revista e relacionado(s)


 

Desglobalização: as forças contra a globalização e o futuro da cadeia de suprimentos global
A década de 2020 têm marcado uma era de aceleração do desenvolvimento de tecnologias, mudanças no equilíbrio econômico e grandes mudanças demográficas e geográficas que tem colocado o movimento de globalização em xeque