LogTalk LogTalk

Cibersegurança na cadeia de suprimentos: Especialista explica como proteger os negócios de ataques

Publicado em 24/11/2023

Segundo relatório da IBM, custos médios de violação de dados no setor de Supply Chain superam os US$ 3 milhões — algo em torno de R$ 15 milhões, em conversão direta

Por Redação

Cibersegurança na cadeia de suprimentos: Especialista explica como proteger os negócios de ataques
É preciso manter sistemas e softwares atualizados, para que o risco seja minimizado (Foto: Shutterstock)

A complexidade e a conectividade da cadeia de suprimentos tornam esse setor atraente para ciberataques, o que pode causar grandes prejuízos financeiros e operacionais. Um relatório da IBM, por exemplo, mostra que os custos médios de uma violação de dados no setor são de mais de US$ 3 milhões.

Cristiano Ribeiro de Souza, coordenador de Segurança da Informação da Microservice, empresa que oferece soluções para segurança da informação, aponta os principais riscos cibernéticos que podem afetar a cadeia logística e o seu gerenciamento.

“Os ataques de malware e ransomware são os mais comuns e podem paralisar os sistemas, tornando impossível rastrear remessas ou gerenciar inventários. Também podem acontecer falhas de software e ataques de negação de serviço (DDoS), que tentam indisponibilizar um website ou recurso de rede por meio de tráfego mal-intencionado", explicou Souza. “Com manipulação de dados, os concorrentes podem alterar dados para induzir a erros ou desviar remessas, entre outros.”

De acordo com o especialista, além da operação, esses danos também impactam financeiramente na cadeia logística, levando a perdas de receita e despesas com recuperação de dados. Os custos globais com ataques cibernéticos no setor devem chegar a US$ 10,5 trilhões em 2025, de acordo com relatório da Cybersecutiry Ventures. Com atrasos ou falhas nas entregas, as consequências desses ataques afetam ainda a reputação e as vendas.

“Outros prejuízos incluem custos de recuperação para restaurar sistemas, pagar resgates e medidas corretivas. Multas e penalidades por violações de regulamento também são desperdício de recursos para as empresas que não seguem as melhores práticas, além das perdas intangíveis, como danos à reputação, perda de confiança do cliente e diminuição da vantagem competitiva”, revelou o coordenador de Segurança da Informação.

Assim, uma avaliação constante dos riscos é uma das medidas para a proteção das operações logísticas e prevenção dos ataques cibernéticos. Identificando e entendendo as vulnerabilidades dos sistemas e as ameaças do mercado, a empresa pode se preparar melhor para mitigar as perdas com os ciberataques.

Na avaliação do especialista, é preciso manter sistemas e softwares atualizados, para que o risco seja minimizado. “Se a empresa acha desagradável ‘gastar’ com atualizações e novos patches para seus sistemas, é infinitamente pior ter que lidar com os danos causados por ciberataques, como paralisação dos sistemas e perda de informações de clientes, por exemplo”, disse Souza.

O backup regular dos dados é uma forma de garantir que as informações possam ser restauradas rapidamente em caso de ataque. O serviço de backup de dados da Microservice permite simplificar, centralizar, automatizar os processos e recuperar as informações protegidas, reduzindo custos desnecessários com hardware, software e esforços operacionais.

Para prevenir os ataques e a perda de dados nas organizações, a análise de vulnerabilidade atua para identificar, analisar e entregar informações sobre as fragilidades e riscos de segurança da informação do negócio.

“Contar com profissionais engajados no objetivo de eliminar ou conter os riscos cibernéticos na cadeia de suprimentos é importante para que toda a organização possa atuar com segurança e tranquilidade”, declarou Souza. “Em tempos de Black Friday e compras de Natal, que devem ser feitas de forma online por 56% dos consumidores, de acordo com a MField, é imprescindível ter os melhores serviços para proteger a operação logística da empresa, garantindo que a entrega dos produtos seja feita sem intercorrência do ponto de vista cibernético.”

Conforme explicação do especialista, a adoção de novas tecnologias como Firewall de Próxima Geração, ferramentas de Detecção Avançada de Malware e outras que adotam o princípio de Zero Trust Network são algumas das tendências emergentes relacionadas aos riscos cibernéticos na logística. O especialista da Microservice ainda aposta na Inteligência Artificial, Machine Learning e Blockchain para transformar o cenário de ameaças na cadeia de suprimentos do futuro.