Assinatura Premium Assinatura Premium

Analógico ou digital? Impacto pode ser 20% menor no custo do frete

Publicado em 14/02/2024

Evolução tem tornado logística digital acessível a mais empresas, ajudando a aumentar a segurança nas estradas, competitividade no mercado e reduzindo emissões de CO2 e gastos com combustíveis

Por Thomas Gautier *

Analógico ou digital? Impacto pode ser 20% menor no custo do frete
No frete analógico, um motorista chega a rodar 150 quilômetros com seu caminhão vazio em busca de uma nova carga (Foto: Shutterstock)

Há empresas onde o custo da logística pode ser mais alto que o de produção. Em poucas palavras, gasta-se mais com o vai e vem de mercadorias do que propriamente com aquilo que o negócio se propõe a entregar. Uma das razões é que, geralmente, na hora de distribuir os produtos, essas organizações mantêm a cultura do frete analógico, por incrível que pareça ainda presente em muitas cidades brasileiras.

Um dos mitos do mercado é que a digitalização da logística está restrita a corporações gigantes. À medida que evolui, porém, a inovação do frete tem se tornado acessível a um número cada vez maior de empresas. Essa nova realidade permite saltos inéditos e democratizados de competitividade para a indústria nacional e para as organizações.

É difícil acreditar que em um cenário altamente tecnológico o transporte seja feito na ponta do lápis. Há ainda os casos de terceirização, ou até “quarteirização” do frete, em que, sem uma visão clara de todas as etapas da logística, a empresa perde controle sobre informações extremamente úteis, que poderiam servir de base para uma estratégia mais eficiente.

Já passou da hora de empresas de todos os tamanhos abandonarem antigos hábitos. No frete analógico, um motorista chega a rodar 150 quilômetros com seu caminhão vazio em busca de uma nova carga. No frete digital, usa a tecnologia para otimizar rotas e planejar melhor suas entregas, percorrendo as estradas na maior parte do tempo carregado e gerando receita.

No frete analógico, um motorista perde um ou dois dias para se cadastrar e passar a fretar para uma empresa. No digital isso é feito em minutos e totalmente online, com fretes fechados quase que instantaneamente com profissionais altamente qualificados.

No frete analógico, existe pouco controle sobre a carga. No digital, é possível conhecer em tempo real as condições de conservação e a localização da carga durante todo o percurso, acompanhando a evolução das entregas e o atendimento aos prazos conforme os níveis de serviços estabelecidos pela empresa. A manutenção do veículo, a segurança do caminhoneiro e outras variáveis também sobem no patamar de excelência, fortalecendo a satisfação do cliente e ajudando a aprimorar a estratégia logística.

Empresas que usam a tecnologia a seu favor criam melhores condições de trabalho para o caminhoneiro. Multiplicam a base de motoristas e reduzem o tempo de resposta deles às suas demandas, garantindo um frete mais ágil e assertivo. Organizações que realizam essa virada de chave passam a ter praticamente 100% das cargas entregues no tempo adequado, reduzindo a chance de imprevistos.

Como as informações de baixo desempenho do frete analógico são, em geral, difíceis de monitorar, não raro as empresas têm dificuldade de entender o impacto dos danos causados pelas ineficiências. As barreiras se tornam explícitas somente quando a empresa migra para o modelo digital, munida de dashboards com dados necessários para gerenciar o processo logístico de ponta a ponta, gerando material facilmente auditável e garantindo ganhos de transparência.

Essa logística digital é mais humana, ajuda a reduzir volume de tráfego nas rodovias, gastos com combustível, emissão de CO2, melhora as margens para motoristas e empresas. Estima-se ainda que contribua para reduzir em até 20% o custo do frete, comparado ao modelo tradicional, o que pode se traduzir em competitividade e novos investimentos, construindo uma relação em que todos ganham.

* Thomas Gautier é CEO da Freto.

Exclusivo e Inteligente

Mantenha-se atualizado em Logística e Supply Chain

Saiba mais